A desembargadora Clarice Claudino da Silva assumiu nesta segunda-feira (19), a presidência do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) em substituição à Maria Helena Póvoas. Como vice-presidente assume a desembargadora Maria Erotides Kneip e o desembargador Juvenal Pereira da Silva como Corregedor-Geral de Justiça.

A eleição ocorreu no dia 13 de outubro, durante sessão do Tribunal Pleno, realizada por videoconferência. Clarice Claudino começará a comandar o Poder no dia 1º de janeiro e vai  gerir um orçamento previsto de R$ 2,2 bilhões em 2023. Ela é a terceira mulher a ser presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

A primeira foi a desembargadora aposentada Shelma Lombardi de Kato, que presidiu a instituição entre 1991 a 1993. Vinte e sete anos depois, a desembargadora Maria Helena Póvoas foi eleita presidente para o biênio 2021 a 2022.

A nova diretoria vai atuar de 2023 a 2024 e, nesta segunda-feira, foi o último dia de expediente no tribunal. O recesso no Judiciária começa a partir desta terça-feira (20) e segue até dia 6 de janeiro. Nesse período, uma equipe fica de plantão para cuidar de questões de urgência, como mandados de segurança e habeas corpus.

Compartilhe.

Jornalista, produtor cultural e escritor. Walney de Souza Rosa (Vavá Rosa) presta assessoria e escreve para sites de Mato Grosso e de todo o Brasil. Seus artigos literários e culturais já foram publicados em jornais da Europa, Canadá e Estados Unidos. Idealizador e Fundador em 21 de janeiro de 2011 da Academia Lítero-Cultural Pantaneira, que compõe escritores, poetas, músicos e defensores da cultura pantaneira (com sede em Poconé) Entre obras já publicadas: A fé e o fuzil (A história de Doninha do Caeté); Boca da Noite (Ficção policial); Ei amigo (A história do Lambadão de Poconé).

Deixe uma resposta