O polo socioambiental Sesc Pantanal esclarece que a preocupação com o processo de erosão nas margens do Rio Cuiabá acontece desde 1997. Geologicamente, o rio Cuiabá é jovem, por isso a mudança do leito é um processo natural, que resulta na erosão fluvial das suas margens.

Em 2001 por solicitação do Sesc Pantanal, a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil realizou estudo e parecer técnico sobre a mudança natural do Rio Cuiabá em Porto Cercado, km 357, sendo o problema comum e característico da bacia pantaneira, proporcionado pela sua baixa declividade e baixa resistência geológica.

Como observado in loco pela entidade, o rio apresentava diversos abandonos de leito e meandros com consequente formação de novos leitos.

Diante do conteúdo e recomendações do parecer da Defesa Civil, foram iniciados e intensificados estudos técnicos para viabilizar a análise e escolha da melhor alternativa técnica de engenharia para contenção do processo erosivo e/ou proteção da margem do Rio Cuiabá, com estudo e acompanhamento sistemáticos de topobatimetria da área, realizados até o presente momento.

Após inúmeros estudos e projetos técnicos, o Sesc Pantanal executou a intervenção às margens do Rio Cuiabá, com objetivo de neutralizar os avanços no processo erosivo, fato este previsto e considerado como consequência natural da ruptura total da alça peduncular localizada à montante do Hotel Sesc Porto Cercado.

Conforme os diversos pareceres técnicos da época, a ausência de intervenção no processo de erosão representava ameaça e risco à segurança do tráfego aquaviário, considerando o carreamento de resíduos para o leito. Por isso, após a conclusão dos projetos de engenharia, com estudos Geológicos, Topográficos, Geotécnicos, além da morfologia do Rio Cuiabá, foram instaladas as estruturas de proteção na margem direita, com cravação de estacas-prancha.

Ocorre que, mesmo com a desaceleração do processo erosivo com a cravação de estacas e defletores, que poderia ter sido muito mais intenso caso os defletores não tivessem sido instalados, a erosão natural, associada a ação das correntes fluviais, acabou por alterar o posicionamento da calha navegável do rio.

O Sesc Pantanal vem estabelecendo plano técnico de ação e elaboração de projeto para promover a remoção dos defletores e continuidade das medidas de proteção das margens. Como sempre preconizado pelo polo socioambiental Sesc Pantanal, todas as medidas adotadas são objeto de formalização perante os órgãos competentes.

Walney Rosa

Jornalista, produtor cultural e escritor. Walney de Souza Rosa (Vavá Rosa) presta assessoria e escreve para sites de Mato Grosso e de todo o Brasil. Seus artigos literários e culturais já foram publicados...

Deixe um comentário

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.