O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep) organiza paralização de 24 horas nesta quarta-feira (27) contra o “calote” do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores da educação. Aliada a paralisação, os profissionais da educação também vão fazer um protesto, em frente da Assembleia Legislativa e Shopping Pantanal.

De acordo com o presidente do Sintep, os educadores exigem o pagamento do calote da RGA de 2018, 2019 e 2020, e atualização pelo INPC (Índice de Preço ao Consumidor), além da recomposição da RGA para 2021, com as respectivas correções.
“O calote se refere desde quando o governo Mauro Mendes (DEM) foi eleito. Na sequencia, aprovou o “pacotão de leis’ para não aplicar a RGA para os servidores públicos, que estão há 3 anos com arrocho e sem reajuste”, explica.

Fora a cobrança da RGA, os professores exigem o cumprimento da Lei 510 de 2013, que assegura a dobra do poder de compras dos salários, a convocação dos aprovados no concurso público, reforma das escolas em condições precárias e aplicação de leis que asseguram recursos para a educação.
“A lei 510 foi, inclusive, uma greve que fizemos pela exigência da parcela fixa. O governo, junto com o Ministério Público, pediu a inconstitucionalidade da lei, mas outros setores, como o Tafe e Sema, o governo fez o pagamento dos percentuais. Ou seja, pra educação a tratativa é uma, pros outros setores a tratativa é outra”, recorda.
Além disso, os profissionais aproveitam para protestar também contra a volta as aulas na pandemia, o fechamento de escolas e a falta de políticas públicas para auxiliar estudantes que foram prejudicados por conta da covid-19.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta