A Polícia Civil do Paraná, por meio do Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber) e a Polícia Civil de Mato Grosso, por meio da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Informáticos (DRCI), deflagraram na quarta-feira (09.11) a Operação Whats Fake com objetivo de combater crimes de organização criminosa e estelionato majorado praticados na modalidade de golpe do falso perfil do whatsapp.

A operação realizada em Cuiabá cumpre nove ordens judiciais, sendo cinco mandados de prisão preventiva e quatro mandados de busca e apreensão, além de bloqueios de contas bancárias usadas no crime. Os mandados de prisão e de busca são cumpridos nos bairros Centro Político, Jardim Imperial e Ribeirão do Lipa.

As investigações realizadas em Curitiba iniciaram no mês de abril, após a vítima de 66 anos procurar a Nuciber para comunicar o prejuízo de R$ 55,8 mil após cair em um golpe. Na ocasião, diversos números de whatsapp fizeram contato com a vítima se passando por irmãos dela, inclusive usando fotos deles no perfil, e passaram a solicitar dinheiro emprestado e o pagamento de boletos, tendo a vítima transferido o dinheiro para seis contas bancárias diferentes.

Nas investigações, os policiais do Paraná conseguiram identificar as conexões criminosas instaladas em Cuiabá. Em Mato Grosso, investigações realizadas pela DRCI apontaram que a maioria dos responsáveis pelo crime já tinham passagens anteriores por estelionato, identificando também os locais de onde teriam partido as conexões de internet para o cometimento dos golpes.

A operação é coordenada pelo delegado do Nuciber (PC-PR) José Barreto e pelo delegado da DRCI (PC-MT), Ruy Guilherme Peral, contando com a participação de 22 policiais civis das equipes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Gerência de Operações Especiais (GOE), Gerência Estadual de Polinter e Capturas, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE) e Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor).

Compartilhe.

Jornalista, produtor cultural e escritor. Walney de Souza Rosa (Vavá Rosa) presta assessoria e escreve para sites de Mato Grosso e de todo o Brasil. Seus artigos literários e culturais já foram publicados em jornais da Europa, Canadá e Estados Unidos. Idealizador e Fundador em 21 de janeiro de 2011 da Academia Lítero-Cultural Pantaneira, que compõe escritores, poetas, músicos e defensores da cultura pantaneira (com sede em Poconé) Entre obras já publicadas: A fé e o fuzil (A história de Doninha do Caeté); Boca da Noite (Ficção policial); Ei amigo (A história do Lambadão de Poconé).

Deixe uma resposta