Sibele Ferreira Costa, de 33 anos, não imaginava que ficaria conhecida nas redes sociais pelo seu molejo no lambadão. A gari fez sucesso após ser filmada dançando no final de semana ao som durante a festa popular MATULA, que ocorreu na Praça Santos Dumont, em Cuiabá.

Sibele Ferreira Costa e a mãe, Dinalva Souza. (Foto: Rogério Júnior)

Em reportagem assinada por Redação PP e Rogério Júnior para o site de notícias primeira página, com fotos de Rogério Junior, nos conta que a festa popular durou três dias e reuniu mais de 10 mil pessoas, de acordo com a prefeitura. Sibele havia terminado o serviço e resolveu dançar com a parceira de trabalho dela, a própria mãe, Dinalva Souza, de 51 anos.

“Depois que a gente já tinha feito a limpeza, quando ainda estava começando, eu fui dançar na brincadeira, eu e minha mãe. Não achei que ia ter toda essa repercussão. Aí o cantor chamou nós duas, mas mãe não quis. Eu fui correndo para dançar e deu toda essa explosão”, disse.

Depois disso, em todos os dias da festa, após o fim do expediente, ela dançou esbanjando leveza e simpatia para quem passava na praça.

Por trás de toda essa alegria, Sibele resiste às dificuldades diárias vividas pela maioria dos profissionais de limpeza na capital. 

Sibele e o lambadão

O interesse de Sibele pelo lambadão, começou aos 13 anos. Ela aprendeu a arte da dança sozinha, observando os dançarinos na televisão. Depois, decidiu que ia ser dançarina e entrou em uma banda na época.

“Virei dançarina de lambadão. Dancei com Lucianinho. Mas depois que tive meus filhos, comecei a dar uma parada. Só que de vez em quando ainda coça o pé para dançar”, contou.

Mãe solteira, ela tem 5 filhos de 1, 4, 6, 14 e 17 anos de idade e vive de favor. Ganhando apenas um salário mínimo, ela vê as despesas de casa só aumentarem.

Todo dia, Sibele acorda a partir das 4h da manhã. Aos poucos ela vai organizando a casa e ajeita os filhos para deixá-los na escola.

Às 6h30 começa o expediente e às 15h, ela volta para casa. Exceto nos dias em que ela e a mãe são escaladas para cobrir algum evento cultural em praça pública, como o que ocorreu na praça Santos Dumont neste fim de semana.

Ela começou a trabalhar na limpeza em 2019. Apesar das dificuldades financeiras, a gari sonha em conseguir a casa própria. 

“Minha alegria vem dos meus filhos. Eu quero dar um futuro melhor para eles. No mundo que a gente está vivendo, não dá para brincar. Meus filhos são tudo para mim e minha mãe também”, disse.

Dinalva, mãe dela, sempre acompanha a filha, mas um pouco mais discreta.

“Não precisa ter muito para ter alegria”, comentou.

Walney Rosa

Jornalista, produtor cultural e escritor. Walney de Souza Rosa (Vavá Rosa) presta assessoria e escreve para sites de Mato Grosso e de todo o Brasil. Seus artigos literários e culturais já foram publicados...

Deixe um comentário

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.