Fonte: Lázaro Thor Borges do site Gazetadigital.com.br

O ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Célio Rodrigues Sampaio, utilizou sua esposa, Joany Costa de Deus, para comprar a Cervejaria Cuyabana por apenas R$ 100 mil, em uma negociação suspeita que está sendo investigada pela Polícia Federal por suspeita de lavagem de dinheiro de corrupção.  

A reportagem do jornal A Gazeta acessou o documento de transferência de capital da cervejaria. A empresa foi comprada por Joany Costa de Deus, mulher de Célio, e por Liandro Ventura da Silva, sócio e amigo de Célio Rodrigues, que atualmente está foragido da Justiça. Chama atenção que o valor registrado na venda foi de apenas R$ 100 mil, recurso considerado ínfimo para comprar uma empresa do porte da Cervejaria Cuyabana.  

O valor da negociação também chamou atenção da Polícia Federal, pois existe a suspeita de que a cervejaria tenha sido adquirida para lavar dinheiro obtido de esquemas de corrupção na Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Célio é apontado pela PF como um dos responsáveis por fraudar licitação na pasta quando ainda era titular da secretaria e por receber propina das empresas que eram contratadas por meio do esquema fraudulento.  

Até fevereiro a Cervejaria Cuyabana pertencia a Ricardo Sguarezi, importante empresário da construção civil em Mato Grosso que ficou conhecido depois de sofrer busca e apreensão na Operação Rêmora. Meses depois, Sguarezi se tornou delator da operação, que investigava fraudes na Secretaria de Estado de Educação (Seduc) durante a gestão Pedro Taques.

  A Cervejaria Cuyabana foi fundada por Sguarezi em 3 de setembro de 2016 e a Operação Rêmora foi deflagrada em maio de 2016. O registro foi protocolado na Junta Comercial de Mato Grosso. A empresa foi criada em sociedade com Rodrigo Fernando Sguarezi. O valor do capital social registrado em 2016 foi o mesmo da venda declarada por Sguarezi cinco anos depois, em 2021.  

A PF suspeita que, para não transparecer que a cervejaria era de sua propriedade, Célio colocou a mulher e o sócio, Liandro Ventura da Silva, como adquirentes da empresa. O contrato social da cervejaria foi alterado no dia 7 de fevereiro de 2021. Pelo instrumento ficou registrado que tanto Liandro quanto Joany seriam responsáveis por 50% da empresa.

Liandro é sócio de Célio Rodrigues C.R. Sampaio EirelliME. A empresa é composta por Célio e por Thais Arrais da Costa, ex-mulher do investigado, com quem não possui mais vínculo. A Procuradoria Geral do Estado (PGE) entrou com ação de execução de título para cobrar da C.R. Sampaio um valor atrasado em impostos de R$ 87.333,73.    

Outro lado  

Em contato por telefone com a reportagem do jornal A Gazeta, Joany Costa de Deus, informou que não falaria com a imprensa. A Cervejaria Cuyabana emitiu nota em rede social na qual afirma que “não tem qualquer envolvimento com entes públicos ou pessoas relacionadas a estes e que está sob nova direção desde janeiro de 2021 com capital próprio, estando aberta para esclarecimentos”.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta