O período de chuvas no pantanal faz agravar um velho problema de saúde pública: a dengue, que figura entre as principais arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Em Poconé, cidade distante 100 quilômetros da capital de Mato Grosso, Cuiabá, o poder público enfrenta o descompromisso de algumas pessoas, há casos de ruas inteiras.

Tradicionalmente associado ao lixo doméstico aberto, o Aedes aegypti já demonstrou a sua capacidade de reprodução nos mais variados ambientes, desde que tenha um mínimo de água acumulada.

E isso é fator preponderante em Poconé, parte da sociedade joga lixo aberto e entulho ao lado de suas próprias casas. Desrespeitando leis; federais e municipais, como o código de postura.

Em nota encaminhada nas redes sociais a prefeitura esclarece:

“Devido ao clima quente e o período chuvoso, a Prefeitura de Poconé, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, vem reforçando suas ações de combate a proliferação do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela.

Seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para prevenir o contágio pelo covid-19, a Vigilância Ambiental tem enviado os agentes de combate a Endemias para a visitação domiciliar e eliminação de focos com aplicação de larvicidas e até a notificação de proprietários.

Simultaneamente, as equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura realiza ações de limpeza pública nos bairros da cidade e Poder Público Municipal pede para que a população também faça sua parte evitando deixar recipientes, vasilhames, ou qualquer local, com acúmulo de água nas áreas externas e internas das residências, uma vez que esses locais podem se transformar rapidamente em criadouros para o mosquito.”

Walney Rosa

Idealizador e Fundador em 21 de janeiro de 2011 da Academia Lítero-Cultural Pantaneira, que compõe escritores, poetas, músicos e defensores da cultura pantaneira (com sede em Poconé) Antes disso em...

Deixe um comentário

Deixe uma resposta