Cacique é preso 20 anos após degolar servidor da Funai em aldeia Xavante da região Araguaia

O cacique Marvel Xavante, foi preso pela Polícia Federal na tarde desta quarta (20/01), em Barra do Garças (MT). A ordem de prisão serve para cumprir pena condenação do indígena pelo homicídio qualificado de um servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai). O crime ocorreu em 2001 em uma aldeia em Nova Nazaré (MT). A pena é de 12 anos, 5 meses e 10 dias de reclusão em regime fechado.

Marvel foi condenado por júri popular em 2011, ou seja, dez anos depois do crime. Os jurados chegaram à conclusão de que o cacique matou Floriano Márcio Guimarães, então chefe do posto da Funai, de uma forma cruel e que impediu qualquer chance de defesa a vítima. Marvel não chegou ser preso na época por que tinha uma habeas corpus concedido pelo Tribunal Regional Federal.

Segundo denúncia do Ministério Público Federal, Floriano, Marvel e outro indígena foram até a cidade de Nova Nazaré. Eles estavam a caminho da aldeia Tritopá, quando o servidor da Funai foi degolado.

A Polícia Federal ressalta que reconhece a organização social, os usos, costumes e tradições, bem como a pluralidade étnica-cultural das diversas comunidades indígenas, mas ressalta que os indígenas que se encontram em pleno gozo de seus direitos civis e possuem grau de cultura e estágio adequado, são plenamente responsáveis por suas ações. Por isso são responsabilizados penalmente por crimes cometidos, com todas as imposições legais.

O chefe da Delegacia de Polícia Federal em Barra do Garças/MT Murilo de Oliveira ressalta que a Polícia Federal permanece atuante e, sendo necessário, atuará de forma dura e repressiva diante de crimes cometidos por quaisquer pessoas, inclusive indígenas. Relatou que a PF mira ainda os possíveis casos de extorsões, violência de toda ordem em desfavor de servidores bem como os constantes saques de cargas em rodovias.

Posted Under Sem categoria
Walney Rosa
Jornalista, produtor cultural e escritor. Walney de Souza Rosa (Vavá Rosa) presta assessoria e escreve para sites de Mato Grosso e de todo o Brasil. Seus artigos literários e culturais já foram publicados em jornais da Europa, Canadá e Estados Unidos. Idealizador e Fundador em 21 de janeiro de 2011 da Academia Lítero-Cultural Pantaneira, que compõe escritores, poetas, músicos e defensores da cultura pantaneira (com sede em Poconé) Entre obras já publicadas: A fé e o fuzil (A história de Doninha do Caeté); Boca da Noite (Ficção policial); Ei amigo (A história do Lambadão de Poconé).

Deixe uma resposta Cancelar resposta