“Já é oficial. A filiação será no dia 22, número do nosso partido, e também o ano em que vamos reeleger nosso presidente Bolsonaro”, disse o Senador Wellington, ao pedir esforço de todos para ajudar a fortalecer a agremiação partidária.

NACIONAL:

O presidente Bolsonaro entra em um partido que tem 345 prefeitos da mesma legenda em todo o Brasil (O PL fica atrás em líderes prefeitos somente dos seguintes partidos: 1º – MDB com 774, 2º – PP com 682, 3º – PSD com 650, 4º – PSDB com 512, 4º – DEM com 459).

Pra se ter idéia o PSL, sem o apoio de Bolsonaro (que saiu do partido em dezembro de 2019) elegeu somente 90 prefeitos em todo o país nas últimas eleições de 2020.

Já o PT, o antagonista de Bolsonaro, com todo seu desempenho elegeu 179 prefeitos em todo o Brasil, destes 91 no Nordeste.

No Senado o PL tem quatro Senadores. Na Câmara Federal são 43 deputados, sendo a terceira maior bancada.

Considerando que os Deputados Federais do PSL, que são 53, podem migrar para o PL, entre outros pré-candidatos que irão acompanhar o presidente; os líderes e cabos eleitorais serão de grande impacto.

MATO GROSSO:

Cenário 01: A primeira meta do senador Wellington Fagundes (PL) é sua reeleição ao Senado.

Reflexos: Com isso os pretensos candidatos ao senado ficaram com as barbas de molho. Se o PL estiver no grupo de reeleição de Mauro Mendes ao governo do estado, de fato terá que oferecer apoio incondicional a reeleição de Wellington Fagundes.

Cenário 02: A segunda possibilidade depende ou não do apoio do grupo de Mauro Mendes a reeleição do senador Wellington.

Reflexos: Se o grupo de Mauro Mendes não costurar o apoio do PL a sua reeleição oferecendo apoio a reeleição de Wellington Fagundes, nada impede que Wellington Fagundes saia candidato ao Governo do Estado disputando a cadeira com Mauro.

ARTICULAÇÃO:

É fato que Wellington esta se aproximando do presidente Bolsonaro para obter apoio, bem como aproximando de Mauro Mendes, de quem foi adversário em 2018, com possibilidade de estar no palanque majoritário ano que vem.

Mesmo sendo possível ser lançado ao governo do estado, Wellington declara publicamente que seu objetivo continua sendo a reeleição para o cargo de senador.

Em entrevista (coletiva) a jornalistas o senador afirmou: “Meu foco é a candidatura à reeleição, agora a discussão das candidaturas majoritárias será definida junto ao presidente Jair Bolsonaro. Meu projeto pessoal não pode sobrepor ao coletivo. O principal projeto nosso, agora, é a reeleição do presidente, por isso está marcado dia 22. É o número do partido e o ano da reeleição do presidente. Agora, os projetos regionais serão discutidos no tempo certo”, finalizou.

Se para Wellington Fagundes não há restrições para a formação de alianças, resta ao grupo de Mauro Mendes articulação e sabedoria para ter o PL ao seu lado, no entanto retirando sonhos de alguns a cadeira no senado e defendendo a reeleição do senador Wellington ao lado da reeleição de Bolsonaro a presidência da república.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta