Segundo informações da Surfshark, empresa de privacidade e segurança on-line, a partir pelo portal IstoÉ Dinheiro, o Brasil registrou um crescimento em casos de golpes contra pessoas jurídicas. No total global, o aumento de vazamentos foi de 3,4%, sendo que os Estados Unidos estão no topo do ranking das ocorrências (212,4 milhões de contas), um crescimento de 22% ante 2020. Na sequência, está o Irã, com um aumento de 10.842% em 2021, na comparação com a quantidade de vazamentos apresentados no período anterior. Em terceiro lugar, aparece a Índia, com 6,6 milhões de contas alcançadas. De janeiro a novembro do ano passado, 24,2 milhões de perfis de brasileiros tiveram as informações apresentadas na internet, por meio de ataques a sistemas. Com isso, o Brasil está em sexto lugar no ranking de mais vazamentos em nível global.

79% dos brasileiros não fariam compras em sites pouco seguros

Ainda acerca da realidade nacional, segundo pesquisa divulgada pela Axway, do ramo de APIs, divulgada pelo portal E-Commerce Brasil, a insegurança sobre dados privados faz com que 78,6% dos consumidores não façam compras em varejos através dos sites, evidenciando a importância de um monitoramento de banco de dados.

A pesquisa foi feita com cerca de mil pessoas no Brasil, que constatou também que 86% das pessoas não fariam compras com uma empresa que apresentou um ciberataque ou vazamento de dados; 56% afirmam que não se relacionariam com uma empresa que já tenha previamente passado por esses ataques. “Esses dados mostram que os consumidores estão conscientes sobre a importância da segurança de seus dados pessoais. Esse fator se tornou relevante inclusive na decisão de compra”, explica o CEO da Latin America na Axway.

O levantamento mostra também que parte das pessoas daria um voto de confiança para as empresas que solucionaram as suas falhas. Acerca do tempo de pausa nos negócios, 60,5% afirmaram que parariam até a empresa sinalizar que o problema foi solucionado. “Isso demonstra que nunca é tarde para as empresas investirem em suas estruturas tecnológicas. É possível recuperar a confiança do consumidor, mesmo após uma falha de segurança, desde que a empresa demonstre estar empenhada e que leva a segurança de dados a sério”, salienta o CEO.

Vazamentos de dados estão concentrados no setor público no Brasil

Ainda sobre vazamento de dados, segundo a empresa Tenable, especializada em segurança cibernética, pelo portal Money Times, 30% dos casos de violação da segurança de dados no Brasil concentram-se no setor governamental. Em 2019, cerca de 28 mil candidatos ao programa de cultura de São Paulo foram expostos digitalmente após uma falha no Governo do estado, por exemplo.