Warning: Attempt to read property "display_name" on bool in /home/matogrossototal.com/public_html/wp-content/plugins/wordpress-seo/src/generators/schema/article.php on line 52

Desperdícios na construção civil vêm movimentando o mercado em busca de soluções capazes de diminuir os impactos no meio ambiente e, também, no valor de investimento dos construtores nacionais. Pensando nesse contexto, a Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (ABRECON), apresentou em 2020 um estudo que aponta como um marco a assinatura da Lei nº 14.026, que atribui à Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) a competência para instruir normas para a regulação dos serviços públicos de saneamento básico, e articular o Plano Nacional de Resíduos Sólidos.

Isso porque, de acordo com o estudo, o pequeno construtor não consegue gerir como, por exemplo, os resíduos de pequenas reformas, operados pela prefeitura através dos pontos de entrega voluntária. Para auxiliar e viabilizar a diminuição dos desperdícios, empresas de tecnologia da informação começam a desenvolver softwares capazes de solucionar não apenas a parte administrativa das construtoras, mas também, no gerenciamento de obras, uma vez que é através dele que as empresas conseguem calcular a quantidade de matéria prima necessária para cada projeto.

“Os softwares possuem uma inteligência no qual o engenheiro consegue organizar a necessidade de matéria prima assim como a sua alocação e processo de construção da obra como um todo”, explica o especialista em tecnologia da informação e softwares, Augusto Cordeiro, CEO da ACSolutions.

De acordo com Cordeiro, um software deve apresentar soluções para a construtora no qual sem essa ferramenta a sua obra permanece em desperdício e custo alto, por isso, alguns pontos, segundo ele, devem ser observados, por exemplo, se a ferramenta possui capacidade para agilizar os processos e precisão na execução deles. Além disso, a automação é um suporte para evitar falhas humanas, ou seja, a responsabilidade dos profissionais fica apenas na gestão das informações e elaboração de como os procedimentos serão trabalhados.

Ela por sua vez, permite que os setores como o de orçamento de obras, que lida  diretamente com a parte financeira em números, diminua os erros e os prejuízos que geralmente uma obra de construção civil pode ter devido ao desperdício de materiais. Outro ponto importante que para o especialista precisa ser avaliado em relação ao software é se ele possui integração com os demais setores da empresa.

“A falta de integração entre os setores da construção pode ser um problema, uma vez que ela é capaz de promover a ligação entre as atividades relacionadas à gestão de diferentes processos, de modo a otimizar todo o ciclo de entrega e gerenciamento de obras”, explica o especialista em softwares.

Para que a ferramenta seja funcional na construtora ela deve, também, integrar-se com outros softwares, assim como possuir um layout intuitivo para que os gestores consigam movimentar as informações de maneira tranquila e com a rapidez necessária. “Fundamental é entender que a gestão dos processos de uma obra são delicadas e precisam de agilidade, no entanto, apenas um software pode não ser o suficiente para o gerenciamento completo de uma obra, e por isso a integração com outras ferramentas e layout intuitivo firma como necessidades básicas para que o gestor consiga tirar o máximo proveito da ferramenta”, pontua Augusto.

Para o setor que é um dos menos digitalizados, segundo dados do McKinsey Global Institute, a tecnologia é um dos fatores que contribuem não apenas para o desenvolvimento geral da construção civil, mas também como fator de diferenciação e competitividade entre as empresas, auxiliando na diminuição dos desperdícios e também na lucratividade dos empreendimentos.

“É importante lembrar que a inovação tecnológica não necessariamente precisa ser ligada a grandes movimentações como a realidade aumentada. Quando falamos em inovação é importante se atentar primeiro na otimização dos processos mais básicos como a implementação dos softwares para depois subir a um patamar mais robusto”, afirma Cordeiro.

Para iniciar o processo de digitalização e inovação, Augusto explica que “o primeiro passo deve estar na escolha do sistema informático de gestão, que será como o alicerce para otimização dos processos e deve concentrar toda a informação relacionada à obra”.

Compartilhe.

Comments are closed.