Com a maior adesão por parte da população ao home office em decorrência da pandemia de Covid-19, boa parte dos setores da economia foi obrigada a se adaptar ao modelo de teletrabalho para conter a propagação do coronavírus Sars-Cov-2. Dentre eles, a advocacia. 

Através de uma pesquisa do Trab21, grupo de estudos sobre Direito do Trabalho no Século XXI associado ao Programa de Pós-Graduação da UFRJ (PPGD/UFRJ), realizada em conjunto com Caarj (Caixa de Assistência da Advocacia do Estado do Rio de Janeiro), foi possível constatar que a profissão foi impactada nos mais diversos sentidos por conta da crise sanitária. E, dentre estas mudanças, uma das mais sentidas foi a adaptação forçada ao regime de home office. O estudo trouxe o dado de que, na totalidade da categoria, 85% dos profissionais passaram a trabalhar à distância. 

Com o avanço da vacinação contra a Covid-19, porém, os profissionais estão gradativamente, voltando a trabalhar em formato presencial. E como herança do período em que tiveram que atuar por meio do teletrabalho, uma série de inovações tecnológicas no setor, desenvolvidas naquele período, hoje se faz presente em diversos escritórios do país.

Exemplo disso se dá com a atuação da Jusfy, plataforma de ferramentas jurídicas, que desenvolveu algumas funcionalidades voltadas especificamente para profissionais e escritórios de advocacia. 

Rafael Saccol Bagolin, CEO da startup, comenta as principais utilizações. Uma delas é o Jusrevisional, que consiste em uma ferramenta que calcula a revisão de juros bancários pela taxa média do Banco Central de forma automática. “Interligada com o Bacen, ela realiza o cálculo, gera um modelo de petição inicial e um parecer técnico.”

Para a área de aposentadoria, foi criada a calculadora previdenciária, cujo objetivo é realizar, de forma automática, o planejamento previdenciário dos clientes, sendo necessário obter apenas o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais).

A respeito do setor de pensão alimentícia, há a ferramenta Juscalc, que possibilita que sejam identificados valores atrasados de pagamentos. “Sabemos que o Brasil é um país com alto número de processos por pensão alimentícia, circulando em média de 100 mil. Por isso, a necessidade eminente de contar com automatização do cálculo”, afirma o executivo.

Já no que tange à otimização dos processos internos para os profissionais, o CEO da Jusfy pontua que as ferramentas Jusmatch e Jusfinder foram criadas para este propósito. A primeira possibilita ao usuário a identificação de novos potenciais clientes, ao passo que a segunda realiza a busca de dados de localização e de propriedade de modo a permitir que o advogado encontre o réu ou os bens do devedor. 

“Quando levamos em consideração o atual cenário mundial de tecnologia, é notável que nenhum setor possa avançar no mercado sem inovações”, finaliza Bagolin. 

Para saber mais, basta acessar: http://www.jusfy.com.br