Warning: Attempt to read property "display_name" on bool in /home/matogrossototal.com/public_html/wp-content/plugins/wordpress-seo/src/generators/schema/article.php on line 52

O Brasil ocupa a posição 54 do Índice Global de Inovação 2022, que analisou dados de 132 países. Suíça, Estados Unidos, Suécia, Reino Unido e Holanda formam o Top 5. Na análise da região que compreende América Latina e Caribe, o Brasil aparece em segundo lugar, atrás do Chile e à frente do México. Trata-se de um bom sinal, já que no estudo anterior o país aparecia em quarto lugar nesse ranking. Executivos de diferentes setores da economia revelam como o período, mesmo em meio a situações que poderiam sinalizar com uma recessão, como a guerra entre Rússia e Ucrânia, tem se mostrado positivo quanto ao investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação (P, D&I). 

A recente análise mostra que no último ano houve aceleração dos processos de inovação. Desde que a ONU (Organização das Nações Unidas) incluiu a inovação entre os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável que integram a Agenda 2030, esse tema vem ganhando força na mídia e nas empresas. Desenvolvimento de capacidade, compartilhamento de conhecimento, coleta e análise de dados, prestação de serviços, apoio normativo, bem como políticas e liderança de pensamento são as ações destacadas pela ONU no quesito inovação. 

De acordo com o especialista em inovação Rodrigo Miranda, diretor de operações da consultoria internacional G.A.C. Brasil, há motivos para ser otimista quanto aos rumos que a inovação deve tomar em 2023. “O mundo está vivendo duas grandes linhas de inovação. De um lado, a tecnologia voltada para inteligência artificial, aprendizado de máquinas (machine learning), internet das coisas (IoT) e indústria 4.0. De outro, o ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) como fator chave na geração de impactos positivos e sustentáveis, em todas as frentes do negócio”.

Miranda diz que os últimos dois anos demonstraram como os gastos com inovação são, cada vez mais, vistos e entendidos como investimentos que trazem benefícios reais. Seja atendendo as necessidades da sociedade, dos clientes ou dos colaboradores das empresas, ou alinhando-se com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. “Quanto às tendências, destacam-se a digitalização das indústrias e o ESG – ou até mesmo a junção dessas frentes sendo aplicadas, por exemplo, no agronegócio. Esta já é uma realidade e ganhará ainda mais força nos próximos anos”.

Na análise de Cleyton Castro, finance lead do SynTech Research Group, apesar das incertezas no planejamento de 2022, consequência da Covid-19, este ano termina com saldo surpreendentemente favorável, com a rápida consolidação de inovações necessárias que se esperava que apresentassem resultados no médio prazo. Essa antecipação de resultados foi muito positiva.

O executivo ressalta a constante busca por melhoria de desempenho e a importância do envolvimento dos colaboradores nas transformações internas alcançadas por meio da inovação. Atuando no segmento de serviços de avaliação e desenvolvimento de produtos para a agricultura, Castro se mostra otimista com os progressos nessa área e tem perspectivas positivas para o ano de 2023. “O Brasil está avançando consideravelmente nesse setor, mas é preciso continuar investindo em inovações tecnológicas, equipamentos e instalações, para fazer frente ao que há de mais atual”.

Já o diretor de P,D&I da HTM, indústria de equipamentos eletromédicos, Carlos Renato Pitarello, vê 2022 como um ano altamente desafiador – principalmente devido aos desdobramentos da pandemia, guerra entre Rússia e Ucrânia, inflação alta (acumulando 5,90% até o mês de novembro), instabilidade econômica, eleições com cenário de polarização política e Copa do Mundo. “Temos muito claro que cenários desafiadores precisam ser enfrentados e superados através de ações e soluções inovadoras. Sendo assim, é importante trabalhar intensamente com a inovação em cinco verticais: modelo de negócios, processos, cultura, pessoas e produtos”.

Pitarello afirma que o processo de transformação digital e people change são dois pontos fundamentais da inovação e ressalta a importância de contar com um departamento específico de Inovação dentro da empresa, permitindo realinhar o planejamento estratégico, lançar novos produtos com tecnologia de conectividade – embarcando mais inteligência e iteração para os usuários. Na área de produtos voltados para a saúde e o bem-estar, o executivo chama atenção para tecnologias habilitadoras utilizadas nos processos de inovação, destacando IoT (internet das coisas), inteligência artificial (com algoritmos de machine e deep learning para diversos fins), geolocalização, sensoriamento remoto e big data. 

“É necessário apostar cada vez mais em user experience (UX, experiência do usuário) e em produtos e serviços que tenham impactos sociais positivos e com a sustentabilidade em foco. Para isso, as empresas têm de estar inseridas num grande ecossistema de inovação, onde todos possam compartilhar suas ideias e participar dos processos de inovação”, diz o executivo.

De acordo com o consultor Rodrigo Miranda, a inovação tecnológica, sobretudo através da transformação digital e do ESG, ganhou ainda mais força no Brasil em 2022 e, apesar das adversidades, a prática da inovação tem sido uma importante ferramenta para o crescimento econômico do país e das empresas que investem em pesquisa, desenvolvimento e inovação. “Essa tendência deve se consolidar em 2023, com o constante crescimento do desenvolvimento de tecnologias emergentes, inspirando as empresas e acenando com avanços através do investimento em P, D&I”.

 

 

 

Compartilhe.

Comments are closed.