As instalações para geração de energia solar fotovoltaica registraram um avanço significativo nos últimos anos, com o aumento de incentivos e o número de empresas apostando no setor. No entanto, o momento agora é de alerta para a qualidade, a garantia e o seguro das placas solares.

A afirmação é de Hugo Albuquerque, superintendente comercial da SOL Copérnico, durante palestra realizada no 12º Fórum GD Sudeste, que aconteceu em São Paulo. Durante dois dias, os palestrantes mostraram as tendências e os rumos do setor de geração distribuída na ligação com fontes renováveis.

“Estamos vendo muitos problemas ocorrendo nas instalações das placas solares, desde o efeito da queda de um raio, por exemplo, que danifica o equipamento ou até mesmo erros quando são instaladas, alguns deles inclusive sem seguir as normas técnicas. Agora, mais do que nunca, é hora de olharmos para esta parte do segmento, para a mão de obra, para os treinamentos, para a qualidade das placas que estão sendo instaladas, porque uma hora essa conta vai chegar”, ressalta Albuquerque, que também é engenheiro eletricista, formado em 1999 na Universidade de Pernambuco (Escola Politécnica), e que atua no setor desde 2009.

Segundo o especialista, 51% dos problemas acontecem no inversor, e entre os problemas destacam-se: mal funcionamento, queima, problemas no disjuntor, geração abaixo do prometido, infiltração no telhado, fiação, entre outros.

Ainda de acordo com o superintendente comercial da SOL Copérnico, este é um dos grandes momentos para discutir o tema proposto. “O Brasil vem sofrendo uma grave crise energética, mas estamos aqui para virar o jogo. De todos os recursos renováveis, a luz do Sol é uma fonte de energia constante, previsível e inesgotável”, afirma.

Albuquerque comenta ainda que cada vez mais os integradores precisam estar atentos à qualidade, às garantias e aos seguros dos equipamentos, visto que a quantidade de sistemas fotovoltaicos que não geram conforme o prometido tem crescido muito, e isso tem se refletido no número de processos judiciais e inadimplências, e consequentemente, no aumento das taxas de juros para financiamento.”73% das vendas são para pessoas físicas, para residências, portanto o financiamento é um excelente meio para desenvolver ainda mais o setor,” diz.

Para atender a essa demanda e entregar aos consumidores as melhores soluções de kits fotovoltaicos, a SOL Copérnico fechou importantes parcerias com fornecedores internacionais para abastecer o segmento solar e oferecer módulos, inversores e estruturas metálicas com a maior qualidade do mercado fotovoltaico, com segurança e credibilidade nos processos de instalação.

Entre as parcerias estão o grupo Chint Power, para fornecer 600 MW de inversores, equipamentos considerados de primeira linha, com corpo totalmente de alumínio e que chegam a 275 kWp. Todos têm mais de 10 anos de garantia, e os primeiros carregamentos chegam já no início de março de 2022.  Além disso, a oferta de 1 GW com a Astronergy.

Por meio dessas importantes parcerias, a SOL passa a ofertar também equipamentos com maior qualidade no mercado fotovoltaico, com segurança e credibilidade nos processos de instalação, reafirma o compromisso com o setor e está preparado para crescer ainda mais dentro do segmento, pois essas empresas são consideradas líderes tecnológicas no mercado de equipamentos fotovoltaicos.