O compliance é um processo que está sendo muito utilizado nas organizações e impacta diretamente a gestão do negócio, pois faz a regulamentação de processos internos e transparência. Ganhou ainda mais força com a Lei anticorrupção e a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados.

O termo compliance é uma adaptação ao verbo em inglês “to comply” que significa estar de acordo. Para as empresas é o ato de estar em conformidade com as normas, leis e regulamentos, sejam eles no âmbito interno ou externo. Ou seja, a empresa deve estar em conformidade com suas normas e regimentos internos e também com as leis federais e obrigações fiscais do país, sendo esta de grande importância para evitar problemas administrativos que possam gerar multas, sanções ou publicidade negativa.

O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos do mundo, de acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) e, portanto, é um grande desafio para as organizações brasileiras se manterem em conformidade fiscal e tributária.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Delloite e ICC Brasil, 65% das 211 empresas brasileiras entrevistadas devem adotar uma lista de pelo menos 15 boas práticas corporativas em menos de uma década e 84% reconheceram a correlação entre os benefícios do compliance e os resultados gerados em seu negócio já que ele ajuda a organizar os processos através de uma governança corporativa eficiente, com uma estrutura de regras, regulamentos e práticas quem cumpram as leis.

Com a transformação digital e o grande avanço de tecnologias, o volume de dados compartilhados em uma empresa é enorme. Portanto, ter sistemas de gestão para concentrar todas essas informações e adaptados às políticas de compliance é essencial para que as empresas possam ser mais eficientes, produtivas e competitivas no mercado.

Estar em compliance é também proteger os dados de seus clientes. A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) fez com que as companhias organizassem seus processos internos e investissem em tecnologia para atender aos requisitos da Lei nº 13.709/18, sancionada em 2018, que estabelece regulamentações para o processo de coleta, armazenamento, processamento e compartilhamento dos dados de pessoas físicas por empresas. Ou seja, deverá haver o consentimento dos clientes na utilização e compartilhamento de seus dados com a organização. Neste quesito, a tecnologia torna-se essencial aliado para garantir a segurança das informações dos clientes e das empresas.

De acordo com Ricardo Nunes, CEO da TRIYO Tecnologia, a implantação do compliance vai muito além de normas e procedimentos. É preciso uma mudança cultural de toda a corporação, ou seja, todos deverão estar comprometidos em seguir as definições estabelecidas para que o processo funcione.

Organizar todos os procedimentos e administrar um volume enorme de dados é essencial e para tanto, automatizar os processos e contar com um software de gestão como o ERP é de extrema importância, pois ele é capaz de automatizar e controlar todos os dados integrando-os e centralizando-os, proporcionando assim, maior agilidade na consulta das informações, tomada de decisão, redução de erros e custos.

Além disso, o ERP aliado ao compliance gera diversas vantagens para o negócio como um todo como:

– Credibilidade: o programa de compliance manterá a transparência do negócio junto ao mercado.

– Produtividade: a automação de atividades e centralização das informações, tornará o time mais produtivo e focado no core da empresa.

– Eficiência: processos definidos e transparentes tornam a operação mais eficiente e organizada.

– Informações centralizadas: o processo de compliance, com a ajuda de um software de gestão como o ERP, mantém todos os processos e documentos organizados e armazenados em local certo com compartilhamento entre as equipes definidas.

Estar em compliance é primordial para que as empresas ganhem eficiência, credibilidade junto ao mercado e clientes, e sejam competitivas. Aliar esta prática a um sistema de gestão ERP, fará com que toda a organização aproveite as vantagens do software e garanta uma operação mais eficaz, ágil, transparente e com controle total das operações administrativas, financeiras e tributárias.