De acordo com uma pesquisa realizada pela Datahub, entre 2011 e 2020, a quantidade de empresas que foram abertas no ramo da tecnologia saltou 210%. Os números são uma comprovação da forte expansão vivenciada por este mercado. Os segmentos dessas empresas são diversos, desde tecnologia para gestão industrial até transações financeiras. 

O levantamento também apontou que as regiões que mais concentram empresas desse ramo são o sudeste, totalizando 107.499 novos CNPJ, e sul, com 29.582 registros. O estado de São Paulo foi, em disparada, o que teve início de startups e outras empresas de tecnologia, chegando a 44.326 aberturas. O estado, junto com sua capital, forma o principal polo tecnológico do Brasil. 

O segundo e terceiro lugares no ranking, de acordo com a pesquisa, ficaram para o Rio de Janeiro, com 8.783, e Minas Gerais, com 5.705. Observou-se que a participação dos estados do norte do país no mercado da tecnologia ainda é tímida, registrando apenas 5.856 novos negócios. 

Para o diretor comercial da Nomus, empresa de tecnologia industrial, Thiago Leão, o fato das tecnologias estarem se tornando acessíveis para os pequenos negócios e a necessidade de se manter a gestão alinhada é um dos principais fatores para a alta do mercado da tecnologia. “Antes, só as empresas maiores, de grande porte, podiam ter acesso a ferramentas. Hoje, é possível digitalizar até mesmo os pequenos negócios”, destacou Thiago.

O diretor apontou, ainda, que uma ação comum tomada atualmente no ramo da tecnologia é a ampliação de parcerias especializadas em determinados serviços, como e-commerce, marketplace e tributário. “Ao integrarmos um ERP com outros sistemas com expertise complementar e relevante, é possível entregar ao usuário uma ferramenta com o melhor dos dois mundos”, ressaltou ele.

O avanço da tecnologia também proporcionou o surgimento de 10 novas empresas unicórnios em 2021. Recebe este nome a startup que atinge valor de mercado acima de um bilhão de dólares. Ao total, há 24 unicórnios brasileiros e esse número pode aumentar até dezembro. 

“Um maior investimento no desenvolvimento e melhoria dos recursos tecnológicos disponíveis, além da acessibilidade a uma parcela maior de usuários, são os principais pontos que favorecem a alta do setor”, opinou o Daniel Campos, diretor de infraestrutura da mesma empresa de SAAS. Para ele, este mercado continuará sendo ampliado rapidamente nos próximos anos.