Uma nova etapa é anunciada na indústria de equipamentos de corte com a abertura de um centro de distribuição em Caxias do Sul. Esta iniciativa, promovida pela empresa Messer Cutting, visa aprimorar as soluções pós-venda direcionadas aos equipamentos de corte de chapas de aço. A cidade na região Sul do Brasil, um dos principais polos industriais do país, é palco da segunda expansão da empresa, visando atender às necessidades do setor metalmecânico.

O novo centro oferecerá peças, insumos, assistência técnica e treinamento especializado para as empresas do segmento.A ampliação também complementa os 125 anos da Messer Cutting.

A movimentação ocorre em um momento em que a indústria de máquinas tem perspectivas positivas. De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), o setor deve apresentar um aumento de 2,4% nas receitas líquidas de vendas para 2024.

A CEO da Messer Cutting no Brasil, Martina Paulus, durante o evento de inauguração, contextualizou o histórico da empresa no Brasil. Ela lembrou que a primeira unidade, fundada em 2007, teve um foco inicial em serviços pós-venda e gradualmente expandiu para incluir produção. A nova unidade em Caxias do Sul permitirá uma assistência mais direta em uma região que é um polo metalmecânico no país.

A ampliação visa a oferecer um estoque diversificado e apoio técnico. Segundo a CEO, “Com a nossa nova base, teremos um estoque de mais de 7 mil peças somente em Caxias, além da presença dos nossos técnicos”. 

O CEO da Divisão responsável pelas Américas, Scott Kessler, destacou a presença da marca nas Américas, mencionando que a “empresa já comercializou mais de 8 mil equipamentos na região”. Kessler também enfatizou os diferenciais da empresa, que incluem “a capacidade de fornecer e fabricar máquinas de corte abrangendo diversas tecnologias”. A Messer Cutting também atende a vários outros setores industriais, como a construção naval e a indústria de turbinas eólicas.

Em relação ao cenário econômico mais amplo, a diretora Executiva de Competitividade, Economia e Estatística da Abimaq, Cristina Zanella, apresentou uma análise das perspectivas do setor de máquinas. “Para o ano de 2023, o setor enfrenta uma queda de 3,4%, marcando o segundo ano consecutivo de declínio. A redução da inflação e dos juros, juntamente com a normalização da cadeia de suprimentos, são consideradas variáveis chave para estimular a atividade econômica.”

Além da ampliação das instalações, a empresa investe na formação técnica por meio de centros de treinamento. Durante a inauguração do novo centro, foram realizados workshops abordando questões relevantes para a indústria, contribuindo para o aprimoramento profissional e o avanço tecnológico.

Compartilhe.

Comments are closed.