Uma pesquisa realizada pela MindMiners em parceria com o UOL, publicada no fim do mês passado, com cerca de 800 pessoas das classes A, B e C, mostrou que 56% dos entrevistados pretendiam fazer compras pela primeira vez no dia do consumidor, em 15 de março. Já de acordo com levantamento da plataforma Shopee, com mil pessoas, 68% ainda não compraram, mas desejavam fazê-lo na data.

Segundo a pesquisa da parceria MindMiners/UOL, este é o quarto ano em que o indicador tem crescimento significativo. Nos dois estudos citados, a internet é o meio preferido para as compras. Diferentemente do apelo da Black Friday, o Mês do Consumidor também busca conscientizar o consumidor sobre os seus direitos, buscar hábitos mais responsáveis e evitar golpes.

Para exemplificar o alcance das ameaças, levantamento da PSafe mostrou que 150 milhões de pessoas foram vítimas de golpes virtuais só em 2021 no Brasil. A Lei nº 8.078/90, mais conhecida como Código de Defesa do Consumidor, é a legislação que protege quem faz compras ou contrata algum serviço.

Ações vão além do varejo tradicional

A tendência de alta nas vendas do Mês do Consumidor influencia setores voltados a nichos especializados. Há promoções direcionadas a profissionais da saúde, da beleza, da construção civil e até microempresários. Silvana Balbo, vice-presidente de marketing do grupo Henry Schein Brasil, que tem entre suas marcas o e-commerce Utilidades Clínicas, site especializado em produtos e equipamentos para área da saúde, falou sobre as perspectivas do seu segmento para o mês de março.

“Os materiais médicos e hospitalares têm um mercado muito competitivo e mais controlado, por isso, nem sempre há muita variação e queda nos preços. No entanto, com a parceria da indústria é possível disponibilizar boas oportunidades de negócios para profissionais e empresas em equipamentos e produtos para as rotinas de saúde, com descontos de até 50%. Além de ser um bom momento para experimentar novidades e lançamentos em produtos”, projeta Balbo.

Silvana ressalta a importância de ter cuidados redobrados ao adquirir materiais direcionados à saúde: “Além do risco de fraude, é preciso observar a reputação da loja, a política de troca/devolução, a qualidade e certificação dos produtos, bem como a proteção dos dados pessoais. Ter um atendimento especializado por chat, e-mail e telefone também contribui para esclarecer dúvidas que possam surgir antes, durante ou depois da compra”, finaliza.

Para mais informações, basta acessar: www.utilidadesclinicas.com.br