Warning: Attempt to read property "display_name" on bool in /home/matogrossototal.com/public_html/wp-content/plugins/wordpress-seo/src/generators/schema/article.php on line 52

No mês em que se celebra o Dia das Crianças, muitas marcas aproveitam para impulsionar fortemente as vendas no segmento infantil. No meio de tudo isso, a criançada é estimulada a comprar e ganhar presentes. Mas será que os pequenos entendem a importância do consumo consciente?

Visando levar educação financeira para as crianças, que estão em uma fase crucial de formação de conceitos comportamentais para a vida adulta, o Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 6 milhões de associados e presente em todos os estados e no Distrito Federal, desenvolve ações para levar o tema de forma leve e adaptada para a idade e o nível de conhecimento de cada criança.

“O melhor presente que podemos dar às crianças, cidadãos do futuro, é a educação, incluindo a financeira. Assim, por meio do nosso programa ‘Cooperação na Ponta do Lápis’, transmitimos conhecimento para a criançada, que passa a melhor se relacionar com o dinheiro e com o consumo consciente”, afirma Ricardo Passos, diretor de Desenvolvimento da Central Sicredi Norte e Nordeste.

Em suas agências, o Sicredi distribui gratuitamente gibis da Turma da Mônica que ensinam, de forma lúdica, as crianças a terem noção de futuro, dando ferramentas para escolhas sustentáveis, ensinando-as a organizar, planejar e ter autocontrole. Além disso, as histórias também são disponibilizadas através de uma série de vídeos e um site especial com brincadeiras online.

Além do projeto com a Turma da Mônica, o Sicredi ainda realiza, através das cooperativas, ações dentro das comunidades onde tem atuação, a exemplo de bate-papo em escolas, apresentações teatrais, oficinas e palestras que ensinam os pais a tratarem sobre o tema dentro de casa e ajudam os pequenos a entenderem a origem do dinheiro, orçamento familiar e como funcionam compras à vista ou a prazo.

Especialista reforça: educação financeira é importante desde muito cedo

Conversar sobre o assunto e ensinar, por meio de pequenos desafios e atitudes, é a melhor estratégia para criar um comportamento positivo em relação ao dinheiro.

Engana-se quem pensa que educação financeira se resume a dar mesada. Ela é muito mais do que isso: é ajudar as crianças a ter noção de futuro; é dar ferramentas para escolhas sustentáveis; indicar limites e disciplina; ensinar planejamento, cooperação, organização e autocontrole.

Segundo Vera Rita de Mello Ferreira, doutora em psicologia social e consultora em educação financeira, até os 4 anos de idade, as crianças identificam a cédula, mas não têm a noção de valor. Ainda é uma brincadeira, mas já com alguma ideia vaga de compra. Entre 4 e 5 anos, elas já entendem que há coisas compráveis e que o dinheiro é necessário para adquiri-las. Mas ainda assim, não sabem a origem, acreditam que é só pegar na instituição financeira e não entendem que o cartão de crédito precisa ser pago.

Entre 6 e 7 anos, segundo a especialista, já com a alfabetização e as primeiras operações matemáticas, elas começam a entender o valor das notas e dos objetos. Ainda não sabem ao certo o que é troco, mas já percebem que é preciso trabalhar para ter dinheiro. Muitas vezes, ao comprar alguma coisa, esperam pelo troco apenas pelo ritual da operação.

Dos 7 aos 10 anos, o conceito de troco está plenamente formado e já sabem que o dinheiro que é retirado da instituição financeira precisa ser depositado lá antes. A relação trabalho versus remuneração começa a ficar mais sólida. Depois dos 10 anos, raciocínio e conhecimento básico começam a se complementar trazendo relações de causa e efeito. Elas já têm alguma noção de precificação, produção, entre outros conceitos, ainda que não totalmente formados.

Compartilhe.

Comments are closed.