O Produto Interno Bruto brasileiro (PIB), utilizado para indicar o desempenho da economia nacional, apresentou um aumento de 4,6% em 2021, correspondente a R$ 8,7 trilhões, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados divulgados revelam uma influência positiva por meio dos setores de serviços com 4,7% e das indústrias, que obtiveram um crescimento de 4,5% em comparação ao ano de 2020, e que juntos somam 90% do PIB, segundo o IBGE.

Entre as indústrias, as extrativistas cresceram 3,0%, já aquelas consideradas de transformação atingiram 4,5%, por conta do aumento na demanda de fabricação de máquinas e equipamentos que atendem diferentes setores como o automotivo e metalúrgico. No entanto, o destaque vai para a construção civil, que avançou 9,7% durante o período, de acordo com o IBGE.

Para o CEO da empresa fabricante de mangueiras e mangotes de borracha, Maxxflex, uma boa gestão industrial ajuda a atingir resultados como estes. “É importante se precaver se acidentes e falhas, e consequentemente, proporcionar um cenário favorável para produtividade e evolução”, diz Daniel Rodriguez.

A boa performance das indústrias, frente à alta na demanda por seus produtos e serviços, também pode acarretar em um estímulo para investidores. Segundo um estudo feito pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o setor da construção civil teve o maior crescimento registrado nos últimos dez anos, um aumento de 7,6% desde 2010.

Segundo o empresário, é indispensável lançar um olhar mais atento sobre o cenário para entender o que está sendo cada vez mais valorizado pela sociedade. “A indústria também precisa estar atualizada. Hoje o mercado conta com tecnologias que entregam mais segurança contra os acidentes elétricos e incêndios, os mais comuns nesses setores. Além disso, os consumidores finais estão atentos, preocupados com a segurança, a qualidade e os impactos sobre o meio ambiente”, finaliza Rodriguez.