O setor logístico, que já vinha superando dificuldade em escala global desde o início da pandemia, agora tem a guerra entre Rússia e Ucrânia como mais um motivo de atenção. O principal impacto, que já vem sendo sentido em todo o mundo, repercute diretamente no custo dos transportes.

“O conflito na Ucrânia já influenciou diretamente o setor logístico com a alta preço do petróleo, refletindo   diretamente no preço final do produto. Há uma expectativa para que haja um acordo nas próximas semanas. Mas que ainda deve levar um tempo para o reflexo nos altos preços do petróleo”, explica o especialista em logística !link Luís Felipe Campos, https://www.linkedin.com/in/luisfelipecamposlogistic/  que possui experiência no setor internacional, principalmente no trade Europa-América Latina.

O barril do petróleo do tipo Brent, referência global de cotação, se aproximou dos US$ 140, o maior valor desde 2008. A tendência de aumento do valor do produto final reflete também na economia e na inflação. Segundo boletim Focus, divulgado pelo Banco Central no último dia 14/03, a expectativa de inflação (IPCA) para 2022 aumentou de 5,65% para 6,45%.

Na !link logística internacional, https://www.linkedin.com/in/luisfelipecamposlogistic/ em relação ao transporte aéreo, dependendo do local de envio da exportação ou do ponto de partida da importação, o custo do frete pode ser impactado. Segundo Campos, as rotas aéreas e rodoviárias que passavam pela Ucrânia estão sendo desviadas por outros países, gerando um custo mais alto para as companhias aéreas.

Outro ponto a ser analisado é o transporte marítimo, que já sofreu com a falta de containers durante a pandemia, mas que não deve ter reflexos muito expressivos. “A guerra, porém, não deve afetar diretamente na oferta de containers, mas sim, o valor de muitos produtos será impactado como o próprio petróleo, fertilizantes, óleos vegetais e trigo”, explica Campos.