Segundo a empresa de pesquisa e consultoria Greener, pelo portal Canal Solar, 93% dos consumidores estão satisfeitos com seus sistemas de energia solar, apenas 7% se mostram insatisfeitos ou não sabem opinar. O levantamento considerou mil consumidores ao longo do ano passado, dos quais 97% afirmam que recomendariam o investimento a algum amigo, com ressalvas em relação ao custo considerado elevado e destacando que é preciso escolher uma empresa que ofereça bom suporte.

O CEO da Greener reforça a importância dos números, enfatizando ser essencial que o mercado não se esqueça de se atentar àqueles 7% dos consumidores. A insatisfação, inclusive, encontra justificativa na falta de alinhamento entre entrega e expectativa de retorno financeiro, oriunda do orçamento. “Esse percentual de 7%, com certeza, foi causado por uma junção de fatores. Um deles é a entrega de uma geração de energia abaixo do que foi prometido para o consumidor”, justifica. “Pode ter ocorrido também uma falta de comunicação na hora de alertar o cliente de que se ele aumentar drasticamente o seu consumo de energia, o payback também aumenta”, completa. O CEO também indicou, na avaliação, falhas na montagem de projetos, equipamentos e instalações, além da falta de um atendimento de qualidade.

A pesquisa ainda demonstra que, dentre as empresas, o setor varejista é o que mais instala sistemas fotovoltaicos no país (41%). Desse número, os supermercados são os protagonistas, com 29%. Na sequência, os postos de combustível (11%). No setor de serviços, os alojamentos representam 17% das instalações. Na sequência, serviços de saúde, com 12%. Com relação ao porte das empresas, as micro e pequenas estão na frente (73%, a soma).

Participação da solar na matriz do país aumentará 120% até 2031

Ainda sobre soluções em energia solar, segundo o ex-ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pelo Canal Solar, a energia solar fotovoltaica deverá ser responsável por, aproximadamente, 17% da matriz elétrica brasileira até o final de 2031. É um aumento de 120% em nove anos. Atualmente, a solar é responsável por 7,7% da eletricidade brasileira, conforme o ex-ministro. “No ano passado, a geração distribuída no Brasil foi a quarta em crescimento no mundo, superada apenas por países como Estados Unidos, China e Índia. Eu acho que nós estamos muito bem posicionados”, salienta, durante seminário da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

No evento, Albuquerque confirmou que, em junho, deve acontecer mais um leilão de concessão para a montagem de linhas e instalações de transmissão de energia. Segundo o ex-ministro, devem ser leiloados 13 lotes em 13 estados, com previsão de R$ 15,3 bilhões em investimentos e instalação de 4,5 mil quilômetros em linhas de transmissão.