Exposição sobre a Fauna e Flora Brasileira une trabalhos de Suíços em Belém-PA

Entre viagens e expedições pela Amazônia, na companhia de esposa e filhos pequenos, o cientista, zoólogo, naturalista suíço Emílio Goeldi (1859-1917), fixou residência no Brasil desde 1885, e de 1893 a 1907, período em que dirigiu o Museu Paraense de História Natural e Etnografia, desenvolveu um trabalho fundamental. Visitou grande parte da Amazônia e realizou intensivas coletas para formar as primeiras coleções zoológicas, botânicas, geológicas e etnográficas da região.

Goeldi contratou para o Museu o fotógrafo, desenhista e litógrafo alemão Ernst Lohse (1873-1930), fotógrafo alemão que trabalhou no Museu Goeldi por quase 20 anos, e que no início do século XX, fez notável documentação fotográfica no Museu Paraense e profundo conhecedor do ambiente amazônico, para elaboração da catalogação das Aves Amazônicas.
Foi Lohse quem ficou responsável pelas ilustrações do livro “Álbum de Aves Amazônicas”, editado por Goeldi em 1900, que reúne 48 pranchas com desenhos das 337 espécies de aves amazônicas catalogadas por Emílio Goeldi. Os originais, litografias aquareladas, fazem parte do acervo do Museu de História Natural de Berna, na Suíça, e que graças ao apoio da Embaixada da Suíça foi possível atravessar o país para que esta mostra chegasse a Belém do Pará.
O “Álbum de Aves Amazônicas” ou, em alemão “Die Vogelwelt am Amazonenstrom”, foi organizado pelo professor e diretor Emílio A. Goeldi (1859-1917) da região Amazônica que tem uma das mais ricas representações ornitológicas do mundo. O trabalho de Goeldi apresenta a primeira reunião de numerosas espécies de pássaros identificados dessa região. Sua 1ª edição foi publicada entre 1900 a 1906 (originalmente bilíngue: alemão e português), pelo antigo Museu Goeldi de História Natural e Etnografia, hoje, Museu Paraense Emílio Goeldi, impressas inclusive no Instituto Poligráfico de Zurique.

Pela primeira vez reunidos em Belém-PA, os trabalhos de pai e filho (Emilio Goeldi & Oswaldo Goeldi) numa exposição em um formato inovador, interativo e inclusivo utilizando a tecnologia da Realidade Aumentada, dando vida aos originais apresentados, que pertencem ao acervo do Museu de História natural da Suíça, e com o apoio da Embaixada da Suíça foi possível levar esta exposição, composta de mais de 70 obras, para Belém-PA.

Além desta coleção, complementa ainda a exposição uma série pouco conhecida do artista Oswaldo Goeldi, filho de Emilio Goeldi, com 22 xilogravuras coloridas de flores brasileiras, representando a flora tropical.

A abertura oficial acontecerá no próximo dia 15/09 às 19h, com entrada franca, no Museu da Universidade Federal do Pará e permanecerá em cartaz até 13/11/2022, além da visita virtual.
Para enriquecimento da experiência, os visitantes da exposição poderão acessar a tecnologia de Realidade Aumentada através do APP: GOELDI RA, que agrega ainda a biodiversidade brasileira difunde a preservação ambiental e o pioneirismo destes dois ícones da ciência e da arte suíço-brasileira.