A Dori Alimentos, uma das maiores empresas de snacks do Brasil, acaba de levantar R$200 milhões em sua primeira oferta pública de certificados de recebíveis do agronegócio (CRA) Sustainability-linked (SLB) com vencimento em 5 anos. Os coordenadores foram Safra (líder) e UBSBB, a securitizadora é a Opea e a demanda pelos papéis superou em mais de 50% o volume ofertado, o que gerou uma redução no spread em 20 pontos-base de IPCA +6,40% para IPCA +6,20%.

Ao longo dos últimos anos, a Dori vem realizando diversas ações com viés ambiental, social e de governança, tendo, por exemplo, gerado mais de 200 mil toneladas em crédito de carbono em 11 anos, atingido 87% de sua matriz energética baseada em fontes renováveis e mais de R$3 milhões investidos em projetos sociais nos últimos 3 anos. Ainda assim, a companhia se comprometeu em continuar evoluindo com redução adicional do volume de resíduos destinados para aterro e um processo de redução contínua da pegada hídrica de seu processo produtivo. Esse compromisso recebeu avaliação externa (SPO – Second Party Opinion) pela Resultante e será monitorado por uma auditoria independente.

“Nossa atuação é, historicamente, orientada pelos princípios ESG, transversais ao nosso processo produtivo e à tomada de decisão. Mesmo antes de nos tornarmos uma empresa de capital aberto, em 2021 aderimos ao Pacto Global da ONU, buscando alinhamento com o plano global de sustentabilidade”, diz Ronald Domingues, Diretor Administrativo Financeiro e de RI.

Nos últimos anos, a DORI vem entregando resultados consideráveis. Em 2021, a receita bruta da empresa totalizou R$ 1,3 bi, crescimento de 27%, com lucro líquido de R$ 71 milhões, com crescimento, respectivamente, de 27% e 17% em relação ao ano anterior. “Continuamos buscar retornos sustentáveis por meio de escala, gestão eficiente e, principalmente, inovação em snacks saudáveis, tema muito relevante para a empresa, pois engloba aspectos sociais como segurança alimentar, saúde e nutrição” – adiciona Domingues.

Para aumentar a agilidade no processo de experimentação e inovação a companhia conta com planta-piloto própria, participa da Plataforma Biotecnológica Integrada de Ingredientes Saudáveis (PBIS) que busca desenvolver ingredientes e alimentos saudáveis, além de estabelecer um Comitê de P&D e Inovação, responsável por refletir sobre as diretrizes como saudabilidade, nutrição e saúde do consumidor.

Os recursos do CRA serão usados para alongar o prazo e reduzir o custo da dívida da companhia.