Segundo a Vert.se Inteligência Digital, a partir do portal E-Commerce Brasil, o Dia do Consumidor, que ocorreu em 15 de março, foi positivo para 80% dos consumidores consultados – um número acima quando comparado com as impressões em relação à Black Friday. Em meio aos termos de busca, os que tiveram mais destaque foram “semana do consumidor” e “dia do consumidor”. Além disso, “ofertas”, “descontos”, “promoções”, “compras” e “cupom” também despontaram entre as buscas.

A pesquisa foi feita entre os dias 1º e 15 de março de 2022, sendo investigadas 46.836 publicações em plataformas de redes sociais, com o maior pico percebido no dia 15, com 15.105 menções (32,25% do total). A empresa que realizou a pesquisa percebeu que as mulheres foram mais ativas nas redes, iniciando 50% das conversas no dia 15 ante 22% dos homens. De resto, 28% simbolizam posts de organizações. Entre os dispositivos utilizados, 77% das publicações foram realizadas por meio de smartphones. Já sobre as marcas, os perfis mais ativos foram marcas do varejo, como Boticário e Magazine Luiza, além de e-commerces.

Comércio eletrônico cresce 15,52% em fevereiro

Em relação aos e-commerces, muito presentes em estratégias desenvolvidas por uma agência de Marketing Digital, de acordo com o índice MCC-ENET, desenvolvido pela Neotrust | Movimento Compre & Confie em parceria com o Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital (camara-e.net), a partir do portal E-Commerce Brasil, apesar do retorno ativo do varejo físico, as vendas digitais avançaram 15,52% em fevereiro de 2020 em comparação ao mesmo período de 2021. Além disso, o faturamento também cresceu 11,20% na mesma base de comparação.

Ainda segundo a pesquisa, no mês de janeiro de 2022, o e-commerce simbolizou 13,3% do comércio varejista restrito (exceto veículos, peças e materiais de construção). No acumulado dos últimos 12 meses, a participação foi de 12,3%. Esse indicador, de acordo com o índice, foi realizado com base na Pesquisa Mensal do Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicada em 10 de março.

No que se refere às categorias do e-commerce, tendo como base também a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, em janeiro deste ano, as compras se organizaram seguindo estes segmentos: equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (42,7%); móveis e eletrodomésticos (28,5%); tecidos, vestuário e calçados (10,4%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,1%); outros artigos de usos pessoal e doméstico (5,5%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,9%); e, por fim, livros, jornais, revistas e papelaria (1,9%).