Uma das mais esperadas apresentações do festival de tecnologia e inovação South by Southwest (SXSW) é a da futurista Amy Webb. Professora da NYU Stern School of Business e CEO do Future Today Institute, a cada edição do evento ela traz uma análise sobre as tendências tecnológicas para os próximos anos reunidas no relatório Tech Trends Report, já em sua 15ª edição.

Este ano não foi diferente. Ela fez previsões instigantes sobre o que a tecnologia mudará nos próximos 15 anos, apresentando os cenários para 2027, 2032 e 2037. A expansão do uso da inteligência artificial (IA) nas mais variadas áreas, a exploração de oportunidades no metaverso e os riscos e benefícios da biologia sintética, uma vertente polêmica da tecnologia, foram os principais tópicos, passando também pela internet das coisas (IoT), blockchain e descentralização na rede.

Segundo ela, durante a próxima década, a IA remodelará a economia do conhecimento, automatizando ainda mais tarefas atualmente executadas por pessoas. As empresas estão investindo no aprendizado de noções básicas de IA e machine learning por seus colaboradores e em novas plataformas que possibilitam, por exemplo, desenvolver aplicativos sem a necessidade de conhecer um código específico. E previu que nos aproximamos do dia em que os sistemas de IA tomarão suas próprias decisões.

Metaverso e Web3

O metaverso irá se expandir, ultrapassando a fronteira entre o mundo físico e o digital. Poderemos usar gestos para nos mover no mundo virtual, uma experiência mais imersiva e humana. Passaremos menos tempo digitando e olhando a tela e mais tempo nos comunicando com o corpo e movimentos. Ao mesmo tempo, será possível ter várias versões digitais de nós mesmos, cada uma de acordo com um fim específico e isso criará uma lacuna entre quem somos no mundo real e nas diversas plataformas virtuais.

Ao vincular os perfis do metaverso às informações pessoais, como a biometria, ficaremos ainda mais expostos. Essa maior facilidade na coleta e no uso de dados pessoais tornará fundamental a criação de uma regulação para garantir transparência, segurança digital e respeito à privacidade.

Biologia sintética

A pandemia de Covid-19 está acelerando o uso de tecnologias de vigilância genética: kits de teste de DNA oferecem recomendações personalizadas de saúde. Ao mesmo tempo em que põem em risco a privacidade, a biologia sintética trará mais soluções e tratamentos para as doenças que surgem com o envelhecimento.

Webb prevê que em 10 anos a biologia sintética possibilitará programar sistemas biológicos como fazemos com os computadores, inclusive podendo imprimir novas moléculas de DNA. Mas alerta que, ao mesmo tempo, o acesso ao código genético pode levar hackers a criar vírus nocivos.

Sobre a projeção de cenários, Webb ressaltou que este exercício leva ao que definiu como repercepção, exercitando a curiosidade e nos despertando para a possibilidade de um futuro diferente das expectativas atuais.

Cenários otimistas e catastróficos

Para cada um dos temas, a futurista previu os efeitos em um cenário otimista e em um catastrófico, com a estimativa da probabilidade de que se tornem realidade.

IA nos próximos 5 anos:

Cenário otimista em 2027 (20% de chance)

  • Transparência sobre os objetivos e o uso de tecnologias baseadas em IA.
  • Formas invisíveis de biometria, como identificação pela respiração ou batimentos cardíacos proibidas em locais públicos.
  • Ferramentas de busca melhores, mais intuitivas e inclusivas.
  • “Coaches” de IA ajudando as pessoas a aprenderem novas habilidades.

Cenário catastrófico em 2027 (80% de chance)

  • Desinformação disseminada, incluindo imagens e vídeos.
  • Informações e dados coletados sem transparência sobre como serão usados.
  • Impossibilidade manter anonimato e criação de dispositivos para bloquear a leitura de padrões corporais.

Metaverso e Web3 nos próximos 10:

Cenário otimista em 2032 (30% de chance)

  • A tecnologia de blockchain permite mais controle sobre nossos dados.
  • Construção de confiança entre usuários e empresas de tecnologia, com total transparência por parte delas.
  • A Web3 vai ir além dos avatares “bonitinhos” e NFTs: vai levar acessibilidade, operabilidade e confiança ao mundo digital.

Cenário catastrófico em 2032 (70% de chance)

  • Conhecer pessoas online será um pesadelo – não só em relação à segurança pessoal, mas também digital.
  • Com diferentes perfis no metaverso, gerenciar as muitas versões no mundo digital será desgastante.

Cenário otimista em 2037 (50% de chance)

  • Com o avanço dessa tecnologia, a morte biológica se torna algo mais opcional.
  • Tudo será geneticamente modificado.
  • As regulações quanto ao uso de tecnologia avançarão com colaboração global.

Biologia sintética nos próximos 15 anos:

Cenário catastrófico em 2037 (50% de chance)

  • Governos ignorando cientistas em relação à crise climática.
  • O aquecimento global passará dos atuais 2ºC, com efeitos nocivos em todo mundo.
  • Hackers farão terrorismo biológico graças ao acesso ao DNA de grandes parcelas da população.