A transformação digital está cada vez mais presente no dia a dia das empresas e, com ela, é possível criar novas soluções e oferecer diferentes serviços. Além da importância de uma evolução de processos e de cultura dentro das companhias, esta mudança só é possível com o uso de tecnologias-chave. Grandes iniciativas como o Open Finance no Brasil e o crescente uso de gestão de identidade e acesso com o mundo cada vez mais digital, só acontecem com um suporte tecnológico seguro e que traga eficiência. Entre as tecnologias mais necessárias para isso estão as APIs (sigla em inglês que se refere às interfaces de programação), recursos que são gerenciados por empresas como a WSO2. E o investimento em TI tende a ser cada vez maior. De acordo com a consultoria Gartner, espera-se que os gastos mundiais nesse setor neste ano cheguem a US $4,4 trilhões, 4% a mais do que em 2021. E para 2023, o aumento previsto em relação a 2022 é de 5,5%. 

As APIs permitem a comunicação entre diferentes empresas e estão presentes, por exemplo, nas redes sociais, em sites e em aplicativos de celular, além de sistemas das companhias. As empresas já entendem a importância de garantir recursos que apoiem a transformação digital. Recentemente, a tecnologia ganhou ainda mais relevância no Brasil devido ao início dos projetos “Open Data”, como o Open Finance, que começou com Open Banking e agora engloba serviços bancários, credenciamento, câmbio, investimentos, seguros e previdência. E as APIs serão essenciais também para Open Healthcare, que permitirá o compartilhamento de dados de saúde dos pacientes para agilizar processos e melhorar a eficiência no atendimento médico.

“Para exemplificarmos como funciona uma API, podemos usar uma analogia de um restaurante. As APIs funcionam como garçons. Quando um cliente (ou um sistema) pede um prato (uma informação), são as APIs (os garçons), que vão na cozinha para pegar e entregar. Informam qual foi o pedido e o leva até quem o solicitou. Esta comunicação e entrega é feita por eles”, explica Fernando Arditti, Vice-Presidente e Gerente-Geral da WSO2 na América Latina. “Na tecnologia, tudo isso acontece em milésimos de segundo e permite 18 trilhões de envios de dados anualmente só pelas soluções da WSO2”, completa.

Monetização de APIs

A gestão de APIs permite automatização de processos, oferecer serviços em grande escala e globalmente, além da geração de insights para decisões estratégicas de negócio. Dentro das novas soluções que elas possibilitam está a monetização de APIs pelas empresas, ao cobrarem pela exposição de seus serviços digitais via API. Assim, é possível criar novas fontes de receita, com o pagamento pelos consumidores ou parceiros pelo uso das APIs, permitindo oferecer planos de acesso diversos, sendo o mais comum o modelo de assinatura em que se paga um preço fixo por um determinado período de tempo.